segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010




O relógio

* Por Aliene Coutinho

O relógio não atrasa,
marca as horas
que me separam de você.
E a cada dia
estamos mais distantes,
e a cada dia
o silêncio aumenta,
e a cada dia
lhe perco um pouco mais.
Esse mesmo relógio
que marcou a despedida,
pode marcar a chegada,
mas ele não pára,
nem atrasa,
só me deixa
perdida em seus ponteiros,
que apontam
para o nada.

* Jornalista e professora de Telejornalismo

2 comentários:

  1. Sempre o tempo...
    Às vezes carrasco e outras
    cúmplice.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Aliene, belo poema de amor e saudade.
    Terríveis ponteiros.

    ResponderExcluir