domingo, 27 de maio de 2018

Túnel do tempo - Pedro J. Bondaczuk


Túnel do tempo


* Por Pedro J. Bondaczuk


Insólito
túnel do tempo,
revestido de magia.
Desconstrói a história,
resgata fatos e ideias
nas asas da memória.

Túnel do tempo...
Ouço Mário Lanza
interpretando Memory.
Memória, memórias.
Factuais? Fantasias?
Ficção ou história?

Túnel do tempo.
Sinatra gorjeia
Stardust,
ritmado por
Nelson Ridle,
pássaro dourado
a embalar mil
cinzentos sonhos.

Túnel do tempo.
Nat King Cole
Indica a rota
do Paraíso,
Return to paradise.
Brenda Lee
pontua paixões
adolescentes
jambalaiando
o Jambalaya.
Ellis Regina
equilibra
minha embriaguez
de poesia
com o Bêbado
e a equilibrista.

Túnel do tempo,
perigoso salto
no escuro,
no vácuo de breu
e de carvão
ao devassar o futuro:
o que nem aconteceu

Túnel do tempo
a resgatar
emoções.
memória
coletiva
de gerações.

(Composto em Campinas, em 6 de maio de 2011)



* Jornalista, radialista e escritor. Trabalhou na Rádio Educadora de Campinas (atual Bandeirantes Campinas), em 1981 e 1982. Foi editor do Diário do Povo e do Correio Popular onde, entre outras funções, foi crítico de arte. Em equipe, ganhou o Prêmio Esso de 1997, no Correio Popular. Autor dos livros “Por uma nova utopia” (ensaios políticos) e “Quadros de Natal” (contos), além de “Lance Fatal” (contos), “Cronos & Narciso” (crônicas), “Antologia” – maio de 1991 a maio de 1996. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 49 (edição comemorativa do 40º aniversário), página 74 e “Antologia” – maio de 1996 a maio de 2001. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 53, página 54. Blog “O Escrevinhador” – http://pedrobondaczuk.blogspot.com. Twitter:@bondaczuk

Um comentário:

  1. O tempo e suas consequências costuma nos fazer parar para pensar.

    ResponderExcluir