quinta-feira, 11 de maio de 2017

Megalópoles

* Por Pedro J. Bondaczuk

Caminho, sonâmbulo inconsciente
qual conspurcante zumbi
disforme, raquítico, trôpego,
por ruas desconhecidas
da cidade dos pesadelos.

Sombra entre esquivas sombras,
encasquetado, ensimesmado
e perdido na tarde suja
de intensíssimo calor
vago sem bússola nem mapa.

Arranha-céus monstruosos
abatem a luz antisséptica do sol
e desenham disformes silhuetas
em muros emporcalhados de negro
e arruinadas calçadas de pedra.

Vislumbro pedaços irregulares,
nesgas ínfimas de céu,
de azul profundo, azul intenso,
por entre rasgos assimétricos
no encardido, no roto manto
de nuvens acinzentadas, violáceas
e espessas de tóxicos humores.

Carros desalinham-se, irregulares,
imensas lesmas de metais.
deixando oxidantes rastros.
Arrastam-se, sonolentos e ruidosos
num alarido insano, ensurdecedor,
dissonantes trombetas de Jericó.

Megalópoles torturante, nauseabunda,
máquina de moer sonhos e vidas,
monstruosa devoradora de homens,
infame, faminta e gulosa canibal
que ilude, com suas miragens,
arapucas, ilusões, sortilégios
de fortunas, glória e poder,
os cúpidos, incautos e canalhas.


(Poema composto em Campinas, em 21 de outubro de 2011)


* Jornalista, radialista e escritor. Trabalhou na Rádio Educadora de Campinas (atual Bandeirantes Campinas), em 1981 e 1982. Foi editor do Diário do Povo e do Correio Popular onde, entre outras funções, foi crítico de arte. Em equipe, ganhou o Prêmio Esso de 1997, no Correio Popular. Autor dos livros “Por uma nova utopia” (ensaios políticos) e “Quadros de Natal” (contos), além de “Lance Fatal” (contos), “Cronos & Narciso” (crônicas), “Antologia” – maio de 1991 a maio de 1996. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 49 (edição comemorativa do 40º aniversário), página 74 e “Antologia” – maio de 1996 a maio de 2001. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 53, página 54. Blog “O Escrevinhador” – http://pedrobondaczuk.blogspot.com. Twitter:@bondaczuk



Um comentário:

  1. Saindo um pouco do seu otimismo e olhando a cidade do jeito que ela é.

    ResponderExcluir