terça-feira, 30 de março de 2010




Palavra e silêncio

* Por Evelyne Furtado

A palavra serve-me como expressão do que sou, do que penso, do que tento entender no outro e em mim. O silêncio é também uma forma de expressão. Admiro os que o utilizam com honestidade e estilo.

Não sei exercer palavra ou silêncio estrategicamente. Falo quando tenho vontade e oportunidade de falar. Calo quando sou obrigada ou quando não sei como dizer, pois na minha ansiedade quase sempre tenho ímpeto de falar.

Às vezes visto silêncios com palavras, da mesma forma que uso roupas para esconder a nudez. Posso valorizar a verdade ou simplesmente disfarçá-la com adornos vistosos que desviam o foco da atenção do que realmente sinto. Mas a verdade continua presente seja lá com que roupa venha a se apresentar.

Motivos internos ou externos guiam minha voz e, até onde posso perceber, esse movimento de avanço e recuo é espontâneo. No momento aprendo a silenciar e, por enquanto, não há traço de arte ou elegância em meu silêncio, que é nascido da mesma fonte de onde nascem minhas palavras.

A autocrítica e a arrogância por constatar que não sou tão boa com as palavras abortam meu discurso. Algumas palavras nascem condenadas ao constrangimento posterior. Outros sentimentos me impedem de ser delicada como gostaria e nesses casos calo com certo sofrimento.

Conforta-me pensar que ainda estou exercitando na vida e que tenho muito a aprender, pois pensando dessa forma posso ter esperança que um dia saberei usar melhor a palavra e o silêncio.

* Poetisa e cronista de Natal/RN

4 comentários:

  1. Evelyne


    Nos furtamos muitas vezes em fazer uso da
    palavra, por medo de magoar ou por parecer
    intolerante. Aí, nos calamos buscando meios.
    Podemos até aprender a fazer bom uso da bendita
    palavra e nos entendermos no silêncio.
    Mas, e eles?
    Feliz daquele que sabe ouvir e não usa em vão a sua palavra.
    Belo texto.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Uma palavra é impossível silenciar: Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Evelyne,que coincidênia... parece até que lemos o texto uma da outra, antes de publicar. Adorei o seu.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Uma abordagem bem significativa sobre o jogo de voz e silêncio. Mais importante do que o que é falado, é o que não se diz. Até aí eu não disse nada de original, mas você sim.
    Destaco: " Às vezes visto silêncios com palavras, da mesma forma que uso roupas para esconder a nudez." Muito bem!

    ResponderExcluir