quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Sementes do amanhã

* Por Pedro J. Bondaczuk


Garimpo, diligente e pressuroso, diamantes
(que, como todos sabem, são eternos)
nos riachos translúcidos dos seus olhos,
fontes de enigmas, surpresas e mistérios.

Sacio a sede, insaciável , de afetos
em seus lábios, sensuais e cálidos.
Torno coloridos os cinzentos sonhos
que,  longe de você,  são sem vida, pálidos.

Sinto o magnetismo mágico das suas mãos.
Esqueço dores e desgostos, todos medos.
Entro em êxtase, pois deliro de paixão
sob o toque magnético dos seus dedos.

Delicio-me com a ambrósia dos deuses
que, sôfrego, sorvo da ânfora da sua boca.
Minha alma vaga pelos paramos infinitos,
longe do mundo, distante desta vida louca.

O sol desponta. Dilui a névoa trevosa.
Sua presença torna a desesperança vã.
Deposito, em seu ventre, terra generosa
as sementes redentoras do amanhã.

Amo-a, querida, sempre amei-a e amarei.
Você é, do meu mundo, a mais brilhante estrela.
Amo-a desde a origem, desde... quando? Nem sei!
Desde antes de conhecer-me e de conhecê-la!

Caminharei ao seu lado, ungido, com devoção,
felicíssimo por encontrar minha verdade,
seguro e convicto, guiado por sua mão,
a vida toda, além da morte, pela eternidade.

(Poema composto em Campinas, em 29 de julho de 2011).

* Jornalista, radialista e escritor. Trabalhou na Rádio Educadora de Campinas (atual Bandeirantes Campinas), em 1981 e 1982. Foi editor do Diário do Povo e do Correio Popular onde, entre outras funções, foi crítico de arte. Em equipe, ganhou o Prêmio Esso de 1997, no Correio Popular. Autor dos livros “Por uma nova utopia” (ensaios políticos) e “Quadros de Natal” (contos), além de “Lance Fatal” (contos), “Cronos & Narciso” (crônicas), “Antologia” – maio de 1991 a maio de 1996. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 49 (edição comemorativa do 40º aniversário), página 74 e “Antologia” – maio de 1996 a maio de 2001. Publicações da Academia Campinense de Letras nº 53, página 54. Blog “O Escrevinhador” – http://pedrobondaczuk.blogspot.com. Twitter:@bondaczuk


Um comentário:

  1. É amor demais. Boa parte da humanidade nem imagina o que seja isso.

    ResponderExcluir